30

O condomínio que você mora joga seu dinheiro fora como o nosso governo?

SAIBA UTILIZAR O FUNDO DE RESERVA E RATEIOS DE FORMA EQUILIBRADA E SUSTENTÁVEL

 

Se você optou em morar num condomínio horizontal ou vertical em busca de comodidade, segurança ou lazer, talvez tenha imaginado alguns perrengues que ocorreriam com seus vizinhos. Algumas situações você até tolera com certa tranquilidade, já outras, nem tanto.

Por alguns anos participei ativamente do Conselho Fiscal do meu prédio e auxiliei o síndico e os moradores em diversas análises, discussões, projetos e apresentações. Mas se já existiam algumas ocasiões constrangedores sendo “apenas” morador, então não fique surpreso com a turbulência e insatisfação ao fazer parte da gestão do condomínio.

Já passei por várias situações incômodas no meu prédio: som alto, brigas, polícia, desvio de recursos, audiências… mas tudo é aprendizado! É mesmo necessário aquele tanto de regulamentos? A maioria de nós as  não lê, não as cumpre, mas ainda assim insiste na melhoria do ambiente em que vivemos.

Nas assembleias, tudo é decidido de forma conjunta, às vezes de forma bem calorosa. Frequentemente, é comum observarmos entraves financeiros para algumas demandas: substituição de equipamentos, contratação de pessoal, seguros, reformas e manutenções gerais. Portanto, a situação fiscal precisa estar em dia. É sempre importante reduzir custos, manter a inadimplência baixa e, o principal: o caixa positivo. Caso contrário, muitos rateios serão demandados dos moradores de forma inesperada.

Nos últimos meses tenho apresentado algumas soluções de investimentos a síndicos e condomínios residenciais e comerciais. Até o momento, na maior parte dos casos que avaliei, há bons recursos alocados em fundos de reservas e emergências. Inclusive, suficientes para vários meses de custeio total das despesas. Mas, em absolutamente todos, o dinheiro do condomínio estava mal aplicado.

Só para ficar clara a grave situação que tenho visto,  O dinheiro de todos eles estavam na renda fixa, predominantemente na poupança ou CDBs de grandes bancos, com baixíssima rentabilidade. Em vários casos, travados por anos, sem liquidez e possibilidade de resgate em caso de urgência.

Você é morador, síndico ou conselheiro de condomínio? Saiba que é necessário ter planejamento financeiro, de projetos e de investimentos. É preciso saber quando usar o dinheiro e saber valorizá-lo. Procure alternativas, conheça outras instituições financeiras, como os bancos digitais com isenção de boletos, transferências bancárias ou uma corretora com isenção de custódia de ativos, sem taxas de manutenção de conta e melhor rentabilidade nas aplicações.

Fico à sua disposição caso queira conversar sobre esse assunto e pensarmos juntos em diversas possibilidades e estratégias de investimentos.

Recomendações:

Cássio Souza 06 de junho de 2019 CorretorasFinanceiroInvestimentosMercado

Artigo por

Um verdadeiro millennial: inquieto, criativo, parpiteiro. Apaixonei-me por tecnologia, comportamento do consumidor, finanças e empreendedorismo. Formado em eventos, especialista em marketing e graduando em economia. Quebrei aos 17 e aos 22. Diretor de Assuntos Econômicos da FAJE-Goiás (Federação das Associações de Jovens Empresários e Empreendedores de Goiás), Co-fundador da Focus – Liga de Mercado Financeiro de Goiás e do blog Toró de Parpite. Acredito que educação financeira é o melhor caminho para a liberdade e competitividade, afinal, quem corre atrás do rabo, não sai do lugar. Adoto a filosofia “Aprenda rápido e fazendo”.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Não existem comentários
Informe seu e-mail para receber as novidades